DRAGÃO AMARELO

Videos
 

 

LIVROS E DOCUMENTOS

EVANGELHOS APÓCRIFOS

CODEX VI

Os Atos de Pedro e os Doze Apóstolos
Traduzido por Douglas M. Parrott e R. McL.Wilson


[...] que [...] propósito [... depois de ...] nós [...] apóstolos [...]. Nós navegamos [...] do corpo. Outros não estavam ansiosos em seus corações. E em nossos corações, estávamos unidos. Concordamos em cumprir o ministério ao qual o Senhor nos nomeou. E fizemos um pacto um com o outro.

Descemos ao mar em um momento oportuno, que veio até nós do Senhor. Encontramos um navio atracado na costa pronto para embarcar, e falamos com os marinheiros do navio sobre nossa vinda a bordo com eles. Eles mostraram grande gentileza para conosco como foi ordenado pelo Senhor. E depois que embarcamos, navegamos um dia e uma noite. Depois disso, um vento veio atrás do navio e nos trouxe para uma pequena cidade no meio do mar.

E eu, Peter, perguntei sobre o nome desta cidade de moradores que estavam no banco dos réus. Um homem entre eles respondeu, dizendo: "O nome desta cidade é Habitação, ou seja, Fundação [...] resistência. E o líder entre eles segurando o galho da palma na beira do cais. E depois que desembarcamos com a bagagem, fui à cidade para procurar conselhos sobre hospedagem.

Um homem saiu usando um pano amarrado em torno de sua cintura, e um cinto de ouro cinta-lo. Também um guardanapo foi amarrado sobre seu peito, estendendo-se sobre seus ombros e cobrindo sua cabeça e suas mãos.

Eu estava olhando para o homem, porque ele era bonito em sua forma e estatura. Havia quatro partes do corpo que eu vi: as solas dos pés e uma parte do peito e as palmas das mãos e o rosto. Essas coisas eu era capaz de ver. Uma capa de livro como (os dos) meus livros estava em sua mão esquerda. Uma equipe de madeira de estilingues estava em sua mão direita. Sua voz era retumbante enquanto ele falava lentamente, gritando na cidade, "Pearlsl Pearlsl"

Eu, de fato, pensei que ele era um homem daquela cidade. Eu disse a ele: "Meu irmão e meu amigo!" Ele me respondeu, então, dizendo: "Com razão você disse: 'Meu irmão e meu amigo.' O que é que você procura de mim? Eu disse a ele: "Eu te pergunto sobre hospedagem para mim e os irmãos também, porque somos estranhos aqui." Ele me disse: "Por esta razão eu mesmo disse: 'Meu irmão e meu amigo', porque eu também sou um estranho como você."

E tendo dito essas coisas, ele gritou: "Pérolas! Pérolas! Os homens ricos daquela cidade ouviram sua voz. Eles saíram de seus depósitos escondidos. E alguns estavam olhando para fora dos depósitos de suas casas. Outros olharam para fora de suas janelas superiores. E eles não viram (que eles poderiam ganhar) nada dele, porque não havia bolsa em suas costas nem pacote dentro de seu pano e guardanapo. E por causa de seu desdém eles nem sequer o reconheceram. Ele, por sua vez, não se revelou para eles. Eles voltaram para seus depósitos, dizendo: "Este homem está zombando de nós."

E os pobres daquela cidade ouviram sua voz, e eles vieram para o homem que vende esta pérola. Eles disseram: "Por favor, se dê ao trabalho de nos mostrar a pérola para que possamos, então, vê-la com nossos (próprios) olhos. Porque nós somos os pobres. E nós não temos esse [...] preço a pagar por isso. Mas mostre-nos que podemos dizer aos nossos amigos que vimos uma pérola com nossos (próprios) olhos." Ele respondeu, dizendo-lhes: "Se for possível, venha à minha cidade, para que eu possa não só mostrá-lo diante de seus (muito) olhos, mas dar-lhe por nada."

E de fato eles, os pobres daquela cidade, ouviram e disseram: "Como somos mendigos, certamente sabemos que um homem não dá uma pérola a um mendigo, mas (é) pão e dinheiro que geralmente é recebido. Agora, então, a bondade que queremos receber de você (é) que você nos mostre a pérola diante de nossos olhos. E diremos aos nossos amigos com orgulho que vimos uma pérola com nossos (próprios) olhos" - porque não é encontrada entre os pobres, especialmente esses mendigos (como estes). Ele respondeu (e) disse-lhes: "Se é possível, vocês mesmos vêm à minha cidade, para que eu possa não só mostrar-lhe, mas dar-lhe por nada." Os pobres e os mendigos se alegraram por causa do homem que não dá nada.

Os homens perguntaram ao Peter sobre as dificuldades. Peter respondeu e disse a essas coisas que tinha ouvido falar sobre as dificuldades do caminho. Porque eles são intérpretes das dificuldades em seu ministério.

Ele disse ao homem que vende esta pérola: "Quero saber seu nome e as dificuldades do caminho para sua cidade porque somos estranhos e servos de Deus. É necessário que espalhemos a palavra de Deus em cada cidade harmoniosamente." Ele respondeu e disse: "Se você busca meu nome, Lithargoel é meu nome, a interpretação é, a pedra de luz, como gazela.

"E também (sobre) a estrada para a cidade, que você me perguntou, eu vou te falar sobre isso. Nenhum homem é capaz de ir por essa estrada, exceto aquele que abandonou tudo o que tem e jejuou diariamente de palco em palco. Para muitos são os ladrões e animais selvagens naquela estrada. Aquele que carrega pão com ele na estrada, os cães negros matam por causa do pão. Aquele que carrega uma roupa cara do mundo com ele, os ladrões matam por causa da roupa. Aquele que carrega água com ele, os lobos matam por causa da água, já que estavam com sede. Aquele que está ansioso por carne e vegetais verdes, os leões comem por causa da carne. Se ele se esquiva dos leões, os touros o devoram por causa dos vegetais verdes."

Quando ele me disse essas coisas, suspirava dentro de mim, dizendo: "Grandes dificuldades estão na estrada! Se jesus nos desse poder para andar nele! Ele olhou para mim desde que meu rosto estava triste, e eu suspirou. Ele me disse: "Por que você suspira, se você, de fato, conhece esse nome "Jesus" e acredita nele? Ele é um grande poder para dar força. Pois eu também acredito no Pai que o enviou.

Eu respondi, perguntando-lhe: "Qual é o nome do lugar para onde você vai, sua cidade?" Ele me disse: "Este é o nome da minha cidade, 'Nine Gates'. Louvemos a Deus, pois estamos conscientes de que o décimo é a cabeça." Depois disso, me afastei dele em paz.

Quando estava prestes a ligar para meus amigos, vi ondas e grandes muros altos ao redor dos limites da cidade. Fiquei maravilhado com as grandes coisas que vi. Vi um velho sentado e perguntei se o nome da cidade era realmente Habitação. Ele [...], "Habitação [...]." Ele me disse: "Você fala verdadeiramente, pois habitamos aqui porque nós suportamos."

Eu respondi, dizendo: "Justly [...] tem homens chamados [...], porque (por) todos que suportam seus julgamentos, as cidades são habitadas, e um reino precioso vem deles, porque eles resistem no meio das apostasias e das dificuldades das tempestades. Para que, desta forma, a cidade de todos que suportar o fardo de seu jugo de fé seja habitada, e ele será incluído no reino dos céus."

Eu corri e fui e liguei para meus amigos para que pudéssemos ir para a cidade que ele, Lithargoel, nomeou para nós. Em um laço de fé, abandonamos tudo como ele tinha dito (fazer). Nós evitamos os ladrões, porque eles não encontraram suas roupas conosco. Nós evitamos os lobos, porque eles não encontraram a água conosco pela qual eles sederam. Nós evitamos os leões, porque eles não encontraram o desejo de carne conosco. Nós evitamos os touros [...] eles não encontraram vegetais verdes.

Uma grande alegria veio sobre nós e uma despreocupada pacífica como a de nosso Senhor. Descansamos em frente ao portão, e conversamos um com o outro sobre o que não é uma distração deste mundo. Em vez disso, continuamos na contemplação da fé.

Enquanto discutíamos os ladrões na estrada, que nós evitamos, eis que Lithargoel, tendo mudado, saiu para nós. Ele tinha a aparência de um médico, uma vez que uma caixa não-guente estava debaixo de seu braço, e um jovem discípulo estava seguindo-o carregando uma bolsa cheia de remédios. Nós não o reconhecemos.

Pedro respondeu e disse a ele: "Queremos que você nos faça um favor, porque somos estranhos, e nos leve para a casa de Lithargoel antes da noite chegar." Ele disse: "Na verticalidade do coração eu vou mostrá-lo a você. Mas estou espantado como você conheceu este bom homem. Pois ele não se revela a todos os homens, porque ele próprio é filho de um grande rei. Descansem um pouco para que eu possa ir e curar este homem e voltar (de volta)." Ele correu e voltou (de volta) rapidamente.

Ele disse ao Peter: "Peter!" E Peter estava assustado, pois como ele sabia que seu nome era Peter? Peter respondeu ao Salvador: "Como você me conhece, pois você chamou meu nome?" Lithargoel respondeu: "Quero perguntar quem deu o nome Pedro para você?" Ele lhe disse: "Foi Jesus Cristo, o filho do Deus vivo. Ele me deu esse nome." Ele respondeu e disse: "Sou eu! Reconheça-me, Peter. Ele afrouxou a roupa, que o vestia- aquela em que ele havia se mudado por nossa causa - revelando-nos na verdade que era ele.

Nós nos prostramos no chão e o adoramos. Nós constituímos onze discípulos. Ele estendeu a mão e nos fez ficar de pé. Falamos com ele humildemente. Nossas cabeças estavam inclinadas para baixo em indignidade como dissemos: "O que você deseja que façamos. Mas nos dê poder para fazer o que você deseja o tempo todo.

Ele deu-lhes a caixa desgant e a bolsa que estava na mão do jovem discípulo. Ele os comandou assim, dizendo: "Vá para a cidade de onde você veio, que se chama Habitação. Continue em resistência enquanto ensina a todos aqueles que acreditaram no meu nome, porque eu tenho sofrido em dificuldades da fé. Vou te dar sua recompensa. Aos pobres daquela cidade dão o que precisam para viver até que eu lhes dê o que é melhor, o que eu disse que lhe darei por nada."

Pedro respondeu e disse a ele: "Senhor, você nos ensinou a abandonar o mundo e tudo nele. Nós os renunciamos por sua causa. O que nos preocupa (agora) é a comida por um único dia. Onde vamos ser capazes de encontrar as necessidades que você nos pedir para fornecer para os pobres?

O Senhor respondeu e disse: "Ó Pedro, era necessário que você entendesse a parábola que eu lhe disse! Você não entende que meu nome, que você ensina, supera todas as riquezas, e a sabedoria de Deus supera o ouro, e prata e pedra preciosa?

Ele deu-lhes a bolsa de remédios e disse: "Cure todos os doentes da cidade que acreditam no meu nome." Peter estava com medo de responder a ele pela segunda vez. Ele sinalizou para quem estava ao seu lado, que era John: "Você fala desta vez." João respondeu e disse: "Senhor, diante de você, temos medo de dizer muitas palavras. Mas é você quem nos pede para praticar essa habilidade. Não fomos ensinados a ser médicos. Como, então, saberemos como curar corpos como você nos disse?

Ele respondeu-lhes: "Com razão você falou, John, pois eu sei que os médicos deste mundo curam o que pertence ao mundo. Os médicos das almas, no entanto, curam o coração. Curar os corpos primeiro, portanto, para que através dos reais poderes de cura para seus corpos, sem a medicina do mundo, eles possam acreditar em você, que você tenha poder para curar as doenças do coração também.

"Os homens ricos da cidade, no entanto, aqueles que não me viam aptos nem mesmo para me reconhecer, mas que se deleitavam com sua riqueza e orgulho - com esses, portanto, não jantam em suas casas nem são amigos deles, para que sua parcialidade não te influencie. Para muitos nas igrejas têm mostrado parcialidade para os ricos, porque eles também são pecaminosos, e dão ocasião para outros pecarem. Mas julgá-los com retidão, para que seu ministério possa ser glorificado, e que meu nome também, possa ser glorificado nas igrejas." Os discípulos responderam e disseram: "Sim, é isso que é apropriado fazer."

Eles se prostraram no chão e o adoraram. Ele fez com que eles se levantassem e se afastassem deles em paz. Amém.

Os Atos de Pedro e os Doze Apóstolos

A tradução original deste texto foi elaborada por membros do
Projeto de Biblioteca Gnóstica Copta do Instituto de Antiguidade e Cristianismo, Claremont Graduate School.
O Projeto biblioteca gnóstica copta foi financiado pela UNESCO, pelo National Endowment for the Humanities e por outras instituições.
E. J. Brill afirmou direitos autorais sobre textos publicados pelo Projeto copta da Biblioteca Gnóstica.

A tradução aqui apresentada foi editada, modificada e formatada para uso na Biblioteca da Sociedade Gnóstica.
Para citação acadêmica, consulte as edições publicadas deste texto.