DRAGÃO AMARELO

Videos
 

 

LIVROS E DOCUMENTOS

EVANGELHOS APÓCRIFOS

CODEX VI

Trovão
Traduzido por Willis Barnstone

Esta tradução original de Thunder (Nag Hammadi Codex VI, 2) é apresentado na Biblioteca da Sociedade Gnóstica por permissão e sob licença do Dr. Willis Barnstone, que retém todos os direitos autorais. As traduções do Dr. Barnstone dos textos de Nag Hammadi são publicadas na Bíblia Gnóstica, (c) 2003 Willis Barnstone & Marvin Meyer.

_____________________________________

Trovão

Fui mandado para fora do poder
e vim até você que me
estuda e foi encontrado por você que me procura.
Olhe para mim, você que me estuda,
e você que ouve, me ouve.
Estão esperando por mim, me levem em vocês mesmos.
Não me bana de sua visão.
Não deixe o ódio entrar em sua voz contra mim
ou deixe a raiva entrar na sua audição.
Em nenhum lugar, em nenhum momento, não se saiba de mim.
Fiquem alertas. Não seja ignorante de mim.

Eu sou o primeiro e o último.
Eu sou o honrado e desprezado.
Eu sou a puta e santa.
Eu sou a esposa e a virgem.
Eu sou a mãe e a filha.
Eu sou os membros da minha mãe
e o estéril com muitos filhos.
Tive um grande casamento
e não encontrei um marido.
Sou parteira e não dou à luz.
Eu sou o consolo das minhas dores de parto.
Eu sou noiva e noivo,
e meu marido me produziu.
Sou a mãe do meu pai
e irmã do meu marido,
e ele é meu filho.
Sou um escravo dele que me
preparou e governante da minha prole.
Ele me produziu mais cedo ainda no meu aniversário.
Ele é meu filho para vir,
e dele é o meu poder.
Eu sou o pessoal do seu poder em sua juventude
e ele a vara da minha velhice,
e o que ele quiser acontece comigo.
Sou um silêncio incompreensível
e uma ideia lembrada muitas vezes.
Eu sou a voz cujo som é múltiplo
e palavra cuja aparência é múltipla.
Eu sou a expressão do meu nome.

Por que você que me odeia me
ama e odeia aqueles que me amam?
Você que me nega confessar a mim,
e você que me confessa me negar.
Você que diz a verdade sobre mim mente sobre mim,
e você que mente diz a verdade.
Você que me conhece,
seja ignorante de mim, e aqueles que não me conheceram,
deixe-os me conhecer.

Eu sou conhecimento e ignorância.
Sou vergonha e destemor.
Estou sem vergonha e envergonhada.
Eu sou força e medo.
Eu sou a guerra e a paz.
Ouça o que eu digo.
Eu sou o desonrado e o grande ser.
Considere minha pobreza e riqueza.
Não seja arrogante quando eu for derrubado na terra,
e você vai me encontrar naqueles que estão por vir.
Não me olhe deitado em um monte de esterco.
Não fuja e me afaste.
Nos reinos você vai me encontrar.
Não olhe quando eu for escalado com os desonrados

nos lugares mais sórdidos ou rir de mim.
Não me jogue fora entre aqueles violentamente massacrados.
Sou compassivo e cruel.

Tenha cuidado.
Não odeie minha obediência
ou ame meu auto-controle.
Quando eu for fraco, não me abandone
nem tema meu poder.
Por que despreza meu medo
e amaldiçoa meu orgulho?
Sou uma mulher que existe em todos os medos
e na minha força quando tremo.
Sou uma mulher, fraca
e despreocupada em um lugar agradável.
Sou sem sentido e sábio.

Por que me odiou em seus conselhos?
Ficarei em silêncio entre os silenciosos
e aparecerei e falarei.
Gregos, por que me odeiam?
Porque sou um bárbaro entre os bárbaros?
Eu sou a sabedoria dos gregos e o conhecimento dos bárbaros.
Eu sou o julgamento dos gregos e bárbaros.
Minha imagem é ótima no Egito, e não tenho imagem entre os bárbaros.
Sou odiado em todos os lugares e amado em todos os lugares.
Eu sou chamado de vida e você me chamou de morte.
Eu sou chamado de lei e você me chamou de ilegalidade.
Eu sou um que você perseguiu e apreendeu.
Eu sou um que vocês dispersaram e reuniram.
Eu sou um antes de quem você está envergonhado,
e para mim você é sem vergonha.
Eu sou a mulher que não participa de nenhum festival
e cujos festivais são muitos.
Eu sou ímpcuo e um cujo deus é grande.
Eu sou um que você estudou e você me despreza.
Eu sou sem mente e você aprende comigo.
Eu sou um que você despreza e você me estuda.
Eu sou um de quem você se esconde e você me parece.
Quando você esconde eu apareto.
Quando você aparece eu me escondo...

Leve-me para a compreensão do luto,
e me tire da compreensão e do luto.
Me recebam em si mesmos de outros lugares feios
e destruídos.
E roubar do bem mesmo em sua feiura.
Por vergonha, levem-me para si mesmos descaradamente.
Sem vergonha e com vergonha, repreenda o que é meu
em você
e venha até mim, você que me
conhece e você que conhece meus membros,
e faça grandes entre as pequenas primeiras criaturas.
Venha para a infância
e não o despreze, porque é pequeno e minúsculo.
Não afaste o grande em partes dos pequenos,
pois o pequeno é conhecido pelo grande.
Por que você me amaldiçoa e me honra?
Você me feri e tem misericórdia.
Não me separe do primeiro que você conhece.
Não se afaste ou vire-se,
vire-se e não saiba...
Conheço os primeiros,
e quem depois eles me conhece.
Eu sou a mente perfeita e descanso...
Eu sou o conhecimento da minha busca,
a descoberta daqueles que me procuram,
o comando daqueles que perguntam sobre mim,
o poder dos poderes
no meu conhecimento de anjos enviados à minha palavra,
e dos deuses em suas estações enviadas pelo meu conselho,
e de espíritos de todos que existem comigo
e das mulheres que vivem em mim.

Sou um que é honrado, louvado e desprezado.
Eu sou a paz, e a guerra chegou por minha causa.
Sou alienígena e cidadão.
Eu sou a substância e uma sem substância.

Aqueles que não estão ligados a mim não estão familiarizados comigo,
e aqueles na minha substância me conhecem.
Aqueles próximos a mim são ignorantes de mim,
e aqueles distantes me conheceram.
No dia em que estou perto de você, você está longe,
e no dia em que estou longe, estou perto de você.

Eu sou... dentro de.
Eu sou... das naturezas.
Eu sou... de espíritos criados,
o pedido de almas.
Eu sou o controle e o incontrolável.
Eu sou união e dissolução.
Eu perco e me dissolve.
Eu estou lá embaixo e eles vêm até mim.
Estou julgando e absolvindo.
Eu sou sem pecado,
e a raiz do pecado vem de mim.
Eu sou luxúria externamente, mas dentro de mim está o controle.
Estou ouvindo para todos, e meu discurso é indecifrável.
Sou um mudo indescritíveis
e enorme em minhas muitas palavras.

Ouça-me com gentileza e descubra-me na rugosidade.
Eu sou a mulher gritando
e lançada sobre a face da terra.
Eu preparo pão e minha mente dentro.
Eu sou o conhecimento do meu nome.
Sou eu quem grita
e eu escuto.
Eu apareto... entrar... Eu sou... a defesa.
Eu sou chamado de verdade e iniquidade...

Você me honra e sussurra contra mim.
Vocês, os derrotados, julguem aqueles que o
derrotam antes de julgá-lo,
porque em você o juiz e a parcialidade existem.
Se você for condenado por um, quem vai absolvê-lo?
Se absolvido por ele, quem vai prendê-lo?
O que está em você está lá fora,
e aquele que te molda por fora
te molda por dentro.
O que você vê lá fora você vê dentro de você.
É visível e sua roupa.
Ouçam-me, ouvintes,
e descubram sobre minhas palavras, vocês que me conhecem.
Eu sou a audição que todos podem alcançar;
Sou um discurso indecifrável.
Eu sou o nome do som
e do som do nome.
Eu sou o sinal da carta
e a designação da divisão.
Eu... luz... grande poder. . . . não moverá o nome. . .
para aquele que me criou.
Vou falar o nome dele.

Olhe para suas palavras e todos os escritos concluídos.
Fiquem alertas, ouvintes e anjos e aqueles enviados
e seus espíritos surgiram dos mortos.
Só eu existo e não tenho ninguém para me julgar.
Muitos prazeres existem em muitos pecados,
paixões descontroladas e desejos vergonhosos
e breves prazeres abraçados pelas pessoas até ficarem sóbrios

e flutuarem até seu lugar de descanso.