DRAGÃO AMARELO

 

TEXTO sobre ARTE

DRAGÃO AMARELO

Luz e Sombra

Em tudo que há, observamos a dualidade, a manifestação destes dois aspectos da Luz e da Sombra, positivo e negativo, fogo e água, dia e noite, atração e repulsão, ying e yang, bem como o Deus dos Gnósticos, conhecido como Abraxas.
Acerca deste assunto poderíamos escrever livros e livros, páginas e páginas, tomos e tomos, e mesmo que nosso conhecimento ainda abarcasse um grande volume, não seríamos capaz de transcrever, ou explicar o significado de tão profundo mistério.

O que hoje abordaremos acerca deste tema são alguns aspectos da luz e da sombra.
É-nos ensinado por meio de livros sagrados, que no princípio o Espírito de Deus pairava sobre as águas, e que estas águas não tinham formas, e que Deus disse "Faça-se a Luz!", e a luz foi feita. Pode parecer incrível para alguns, mas antes de haver a luz, já havia a Luz, o que o Mestre Samael denomina como Luz Incriada, Absoluto, Ain, etc...

Aqui não adentraremos a estes aspectos do Absoluto, mas sim, da luz e das sombras como as percebemos.
Tudo quanto existe, para nossos sentidos, sejam físicos ou internos, é a manifestação da luz, projetada sobre um objeto, o que o mesmo, demarca expressões, e sombras. Imagine, um mundo de obscuridade completa, sem nenhuma luz, como perceberíamos as formas? como as veríamos? não seria possível, verdade? Contudo, em um outro extremo, temos o mesmo resultado, por incrível que pareça. Imagine um local completamente branco, que emita luz de todos os pontos que nos circundam, ao lado, em cima, em baixo, não haverá sombras projetadas, e igualmente nos sentiríamos como num vazio, sem forma, sem expressão, pois a própria luz nos ofusca os sentidos e não somos capazes de "enxergar", igualmente.

Os objetos têm uma natureza interessante quanto as questões da forma, mas também das cores. As cores como bem sabemos e aprendemos na escola, e assim podemos observar, são reflexos, ou emissões da luz em determinada cor, ou espectro seja ele visível fisicamente ou com outros sentidos. Sabemos que a luz, se divide em sete cores fundamentais (as cores do arco íris), na qual sua origem são três cores primárias, e a incidência desta luz natural, ou branca - que é a soma de todas as cores, sendo traduzida como aspecto postivo, já que o aspecto negativo e a cor negra, ou ausência total de luz - faz refletir em um objeto, certa cor, ou certo espectro de cor ou cores. Portanto, se um objeto emite uma cor vermelha, por exemplo, significa, que "aponta" para nossa percepção esta gama de cor vermelha, porém, onde estão o restante das cores? Lógicamente deduzimos que estão "absorvidos" no objeto em questão.

Com isto ao observar por exemplo uma esfera branca, por exemplo, a luz se projeta aos nossos olhos, e "dentro" há escuridão, como uma polarização da própria luz. Assim como em um objeto de cor preta, teremos, a absorção desta luz, ou seja, para nossos olhos é preto, mas "dentro", está contida a Luz. Por isto que quando utilizamos roupas claras, sentimos menos "calor", e roupas mais escuras sentimos mais "calor", porque neste último caso, a energia, ou a luz, foi absorvida, e mantida como calor, como fogo, ou como a própria luz. Por isto no símbolo do ying-yang vemos que naquela esfera, se mesclam a cor preta e a branca, e dentro da parte maior branca, há um círculo preto, e na parte maior preta, há um círculo branco, pois a Luz se mescla desta forma, e se polariza, e realiza diversas expressões.

É claro que isto são observações práticas, mas também não totais, pois o Mago, ou um Mestre pode exercer controle sobre toda esta natureza de Luz e de Sombras, podendo escolher expressar em determinado momento mais luz ou mais sombras (que no caso é diminuir a incidência de Luz), pois o mesmo se faz destro na manifestação destas duas expressões, já que o objetivo de nossa auto-realização é justamente isto, fusionar toda esta consciência que fomos buscar no abismo com a Luz. Com justa razão o Mestre Samael diz: "Os Deuses surgem do Abismo!" e "O Inferno é a Matriz do Céu!". Com justa razão, devemos descer ao mais profundo para subir ao mais alto, devemos buscar no fundo profundo esta Pedra Filosofal, este Lúcifer encarcerado, este Prometeu atado a dura rocha onde o abutre lhe devora as entranhas, para então liberá-lo e transformá-lo radicalmente e assim nascer o Cristus-Lúcifer, que é a misteriosa simbiose de Luz e de Sombras.

Assim o iniciado, dá seus passos e segue o caminho central, a senda do fio da navalha, de maneira a controlar este fogo, que pode ser usado tanto para a Luz quanto para as Trevas (Sombra).
Aqui podemos levar a reflexão os elementos alquímicos do enxofre, mercúrio e do sal, onde o enxofre simboliza a Luz, o mercúrio simboliza a Sombra e o Sal simboliza o "Objeto", o Iniciado, que tanto está em um como em outro e é o responsável pela mescla dos elementos.
O Mestre Lakhsmi Daimon ensina sobre graduar a Luz, isto é possível ao Mago, ao esoterista, que pode controlar esta Luz e sua manifestação, tendo assim o domínio sobre a mesma, se esta se expressa em sua superfície em maior ou menor grau, ou seja, que dependendo do ambiente em que o Mago se encontra, se faz necessário diminuir a luz, para não afugentar os demônios, ou mesmo, para se "adequar" aos demais. Lembrem-se que o Mestre pode escolher sua roupa, sua vestimenta.

"Cada um de nós projeta sua sombra por aqui, por lá e por acolá.
Luz e sombras, em antítese harmoniosa, marcam um completo dualismo, cuja extraordinária síntese é a sabedoria.
Vamos agora um pouco mais longe, penetremos no profundo, no ignoto de nosso Ser.
Sabemos que mais além do corpo, dos afetos e da mente está o Logói interior, divinal... Inquestionavelmente, isto que é o inefável, isto que é o real projeta seu próprio reflexo, sua sombra particular, dentro de nós mesmos, aqui e agora.
Indubitavelmente, o sol íntimo de cada um de nós tem também sua sombra e esta cumpre uma missão específica no fundo mesmo de nossa própria Consciência.
Obviamente, tal sombra, tal reflexo logóico é o treinador psicológico, Lúcifer, o tentador...
No ginásio psicológico da existência humana, requer-se sempre um treinador, com o propósito de produzir poderes, faculdades, virtudes extraordinárias, etc., etc., etc.
De que forma poderiam brotar em nós as virtudes se não existisse a tentação?
Só mediante a luta, o contraste, a tentação e a rigorosa disciplina esotérica podem brotar em nós as flores da virtude."
- Sim há Inferno, Sim há Diabo, Sim há Karma - VM Samael Aun Weor

25/06/2017