DRAGÃO AMARELO

 

TEXTO sobre CIÊNCIA

DRAGÃO AMARELO

 

A Magia Amorosa



É comum entre os Iniciados dialogarem sobre estes termos de Magia Amorosa, O Arcano A.Z.F. , Tantrismo branco (sem derramamento de semem), Maithuna, entre outros termos que foram expressos ao longo da humanidade, em épocas que era necessário que isto fosse dialogado ou expresso de forma velada.

Contudo, o que viemos a compreender é que raramente são aqueles que encarnam estes valores, ou são raros os que praticam o que predicam, no que tange a este tema proposto.

A Magia Amorosa é um ato realmente Divino, de mútuo respeito e admiração, e obviamente como o próprio nome diz, de Amor, entre o casal praticante de tão inefável ritual. As hostes de Elohim que concorrem ao rito impregnam o ar de magnetismo e mistério, auxiliando ao casal que se ama a que esta energia bruta a ser trabalhada tenha o destino adequado para a Obra do Ser de cada indivíduo.

Ir ao leito, sem recordar da Mãe Divina e do Ser é pois um ato apenas humano e protocolar, que dirá animalesca. Ir ao leito sem amor ao cônjuge é pois um ato estúpido e incompreensível, para quem realmente queira ou pretenda realizar uma transmutação adequada ou minimamente satisfatória.

É complicado falar destes temas, pois infelizmente, as pessoas acabam apenas lendo e teorizando, e quando vão às práticas, praticam mal, praticam com conceitos, com a mente, com o que leram ou com o que falaram. A leitura e o estudo são importantes, mas a leitura por si só, como informação e memória é inútil e prejudicial. As palavras lidas devem realmente serem estudadas, analisadas e compreendidas mediante a meditação. O ato Amoroso necessita apenas de AMOR. Amor ao Pai, Amor à Mãe e Amor ao Cônjuge. Temos aí a trindade de Amor que sabiamente equilibradas saímos do ato amoroso sem nos afogar.

É realmente belo o casal em êxtase Amoroso, onde seus corpos se unem de maneira a formarem um Elohim tremendamente Divino, como nos fala o VM Samael, em sua Obra - O Matrimônio Perfeito. A união física, anímica e espiritual são um deleite de Amor e Sacrifício, onde internamente as colunas de cada cônjuge se vê magnetizada e solarizada e seus canais Ida e Pingalá brilham maravilhosamente formando o Santo Oito (8).

Quanto a isto, vem-nos à memoria algo que o VM Samael comenta em algum de seus livros, que é o seguinte:

"O Grande Mestre Huiracocha disse, na Igreja Gnóstica, o seguinte: “Diodoro, disse: Saiba que entre todos os Deuses, o mais elevado é I.A.O.”
“Aides é o inverno, Zeus principia na primavera, Hélios no verão, e no outono volta a atividade I.A.O. que trabalha constantemente”.
“I.A.O. é Jovis Pater, é Júpiter, a quem chamam os judeus, sem direito: JAHVE”
“I.A.O. oferece o substancioso vinho da vida, enquanto Júpiter é um escravo do Sol”.

Aides ou Hades é o inverno, ou inferno, em outras palavras, a região inferior. São as energias sexuais ainda em estado "bruto", no ato sexual, prontas para serem transmutadas. Podemos claramente identificar esta região inferior, com a parte inferior do 8, o centro sexual, as águas espermáticas a serem trabalhadas, dentro de nós mesmos aqui e agora.

Zeus em uma escala mais ascendente, onde entrecruzam-se os canais espermáticos, na altura do coração e dos rins, faz a medida, a balança, a pureza da energia que sobe pela coluna, nos lembrando os ritos egípcios onde são pesados em uma balança o coração e a pena.

Mais ao alto, na região do cérebro está Hélios, nos recordando o Sol, onde este brilha majestosamente como a coroa dos Santos, indicando que os átomos Crísticos que brotaram do Abismo (Hades), ascenderam neste Verão, até os Céus, ou o Sol dentro de nós mesmos. Aqui está um dos motivos de por quê a magia sexual é realizada à noite. Também nos recorda ao Sol da Meia Noite.

I.A.O. volta em atividade depois desta elaboração, fixando a energia transmutada, tal qual o antimônio da Alquimia. I.A.O. é o descenso do Espírito Santo, o batismo em nossa glândula pineal, a qual carregada de eletricidade, e controladora das funções orgânicas, mediante a Vontade do Pai, destina estes átomos solares ao coração, ou então o átomo batizado pelo Espírito Santo (I.A.O.) , descende de forma majestosa até os "infernos" - centro sexual - para que um único átomo, um único espermatozóde venha a fecundar uma nova matriz, tendo assim o nascimento de uma nova prole, uma criatura humana gestada no ventre da mãe fecundada por Obra e graça do Espírito Santo.

Por isto Maria Mãe de Jesus é relatada que teve o Divino Rabi da Galiléia por Obra e Graça do Espírito Santo.

 

18/07/2019