DRAGÃO AMARELO

 

TEXTO sobre FILOSOFIA

DRAGÃO AMARELO

 

PERSONALIDADE, ESSÊNCIA E EGO

Dando continuidade em nossos diálogos, dentro desta sequência de dezesseis temas, trataremos agora do assunto Personalidade, Essência e Ego.

Este é um tema de psicologia, ou de fislosofia, e iremos abordar e desenvolver este tema com base na Doutrina Gnóstica.

A Personalidade, como palavra, tem origem do latim, e significa máscara. Dentro desta palavra temos a origem espanhola que chamamos persona, ou pessoa para a nossa língua portuguesa. Observamos também nos personagens dos diversos contos que abundam na literatura e teledramaturgia, etc.., onde estes personagens, são uma máscara, que preenchem um enredo, uma história, que cabe a eles viver ou representar, mas que não são realmente estas pessoas, quando no caso encenado. Para o nosso caso não é diferente, quando dizemos pessoa (persona), estamos afirmando que este é uma máscara, uma roupagem, algo efêmero, uma representação do que realmente é em seu fundo, ou do que realmente somos no mais Íntimo de nós mesmos.

A personalidade do que somos, em realidade é um veículo energético, que representa nossas características sejam ela físicas ou psíquicas, representa nossos hábitos, costumes, cultura, nosso nome que foi deixado por nossos pais, se gostamos de tal ou qual coisa, falamos de tal ou qual jeito. Por exemplo, se nascemos no sul do Brasil, falaremos de uma forma, com algum sotaque, e algumas características marcantes, como gostos, etc. Se nascemos no sudeste, nordeste, etc... estes costumes, hábitos, maneiras de falar, vão mudando. E se nascessemos na China? no Egito? Na França? obviamente estaríamos falando outra língua, teriamos outros costumes, outros gostos, outra aparência física, etc.. A Personalidade então é moldada conforme o meio que vivemos, nascemos, etc... Esta é uma roupa que criamos cada vez que viemos ao mundo, que tomamos um corpo físico novo. Esta é formada desde que nascemos, e até os sete anos de idade, vamos formando, após isto ela já está formada e começa a se robustecer por meio de nossos hábitos, nossas atitudes, nossas experiências. Normalmente os maiores traumas são causados neste período de 0 a 7 anos de idade, o que vai refletir na fase adulta, moldando o indivíduo a cometer diversos delitos e travas psicológicas, que o impedem de se desenvolver ou que fazem a pessoa se comportar de determinada maneira, infelizmente estes comportamentos são inconscientes, pois muitas vezes um não compreende o porquê de seu comportamento. Isto tudo pode ser mudado, quando começamos a pôr em ação a Consciência, que é a Essência quando traduzida em fatos.

A Personalidade, como dissemos é um veículo energético, de expressão, de nossos defeitos ou debilidades, e de nossas vitrudes. Em outras palavras, é o meio de expressão para a Essência ou para o Ego. Se expressamos em determinado momento, a gentileza, o amor, o carinho, a generosidade, estaremos expressando a Essência. Se expressarmos a ira, o rancor, a vingança, a cobiça, etc... estaremos expressando o Ego, que são esses valores negativos que todos carregamos em nosso interior, em nossa Psicologia.

A Essência é o que há de mais puro em nós, são nossas virtudes, as quais podemos citar algumas como o altruísmo, a generosidade, o amor, a serenidade, a alegria pelo bem comum ou alheio, etc...

Observamos muito facilmente a essência se manifestando nas crianças, principalmente nos três primeiros anos, onde a criança expressa toda sua beleza, sinceridade, pois estas ainda são puras, pois o Ego não tem ainda a Personalidade totalmente desenvolvida para que se manifeste, já que nossos hábitos e costumes, que formam a personalidade, infelizmente são inadequados para a expressão da Essência (Consciência), ou para nosso Ser particular, individual.

O Ego é a impureza dentro de nós mesmos, são representados pelos sete pecados capitais, quais são eles: luxúria, ira, orgulho, preguiça, cobiça, inveja, gula. É importante perceber que todos nós carregamos todos estes elementos dentro de nós mesmos, pode acontecer de que um é mais saliente que outro. O que nos permite observar isto são as práticas que deixaremos ao fim deste explicação, que é da Observação.

Alguém poderia dizer que não é preguiçoso, por exemplo, mas cada um destes elementos, destas sete cabeças de legião, ou sete pecados capitais, possuem milhares de ramificações, e esta preguiça se manifestar em esquecimento, ou desorganização, inaptidão para alguma tarefa, incapacidade de aprendizado, dentre tantas outras milhares. Alguém poderia dizer que não tem a Ira, mas é impaciente, intolerante, não respeita opiniões alheias, quer fazer tudo de seu jeito (autoritário), conversa alta (gritando), etc... Analogamente serve para as outras cabeças de legião, mas não nos deteremos nesta análise neste momento, já que trataremos sobre o Ego, no quarto tema, destes estudos.

Estes aspectos são bastante observáveis em nossa psicologia, basta que façamos a prática. Já que a Gnosis, como dito em texto anterior, é o funcionalismo natural da Consciência. Em outras palavras, devemos viver, praticar, para encontrar o que há dentro de nós, aprendermos a auto-descobrirmos, de momento a momento, de instante a instante.

 

Prática:

Observação!

Observar, atentamente estes aspectos na vida de cada um de nós, quem está agindo? será que é adequado o que estou pensando? o que estou sentindo? ou o que estou fazendo? É apenas isto, o primeiro passo é observar nossa conduta no dia a dia, no trabalho, em casa com nossos familiares, parentes, conjuges, etc.

 

 

 

11/05/2017