DRAGÃO AMARELO

 

TEXTO sobre FILOSOFIA

DRAGÃO AMARELO

 

O EGO

Chegamos ao quarto tema, e trataremos sobre estes aspectos negativos que carregamos em nosso interior.

O Ego é a personificação de nossos defeitos psicológicos, que são sim divididos e organizados em sete cabeças de legião, que são bastante conhecidas, citar estas cabeças é fundamental, são elas: luxúria, ira, orgulho, preguiça, cobiça, inveja, gula.

Estes valores negativos, ou estes sete "troncos" principais, tem milhares de ramificações menores, ou "galhos menores", que são chamados de agregados psicológicos, ou defeitos, ou falhas psíquicas, etc... Estes agregados correlacionam-se com uma, ou várias, cabeças de legião. Podemos por exemplo pensarmos não ter preguiça, porque nos dispomos a trabalhar, ou porque não seja nosso traço psicológico, ou comportamento habitual que temos em nossa vida, porém se observarmos atentamente em nosso interior, mediante auto-observação, e principalmente sinceridade conosco mesmos, nos daremos conta cabal da existência de diversos elementos negativos que carregamos em nosso interior, e que nem fazíamos idéia que existissem. Regressando ao ponto do exemplo que queríamos citar, sobre a preguiça, pode ser que pensemos não possuir tal elemento, mas quando nos damos conta, podemos nos observar, e analisar se não há situações de má vontade de realizar ou prestar auxilio a alguém; será que somos organizados? será que somos pontuais? será que não desistimos de aprender algo simplesmente por preguiça? etc... Tudo isto são derivações deste elemento que se chama Preguiça.

Podemos citar também elementos que se relacionem com a ira. Alguém poderia dizer que é calmo, pacífico, etc... Pode ser que até um pode não ter realizado nenhum ato de violência para com outro, ou algo do gênero. Mas, será que jamais pensou, ou sentiu raiva de alguém? pensou em agredir uma pessoa, seja fisica ou verbalmente? é uma pessoa que conversa com tom alto de voz? não quer escutar o outro? quer impor sua vontade? não aceita opiniões alheias? etc... Todas estas são exemplos de ramificação da ira.

Analogamente teremos para todos os outros Eus, as suas ramificações. Podemos perceber que esta personificação de nossos defeitos, não estão unicamente na ação como pessoa, mas que estes elementos se manifestam também em nossos pensamentos e sentimentos. É claro, que a medida que formos trabalhando com estes elementos eles vão se desintegrando, e vão deixando de existir na parte física, mas como estudantes sérios, devemos ir à raiz, ao grão, e eliminar estes elementos até em nossos pensamentos, em sua origem de manifestação. A chave para desintegração destes elementos, daremos ao final deste tema.

Assim como vimos no Despertar da Consciência, o Ego, foi deixado e ensinado em diversas mitologias, livros sagrados, etc..

Temos o caso de Perseu, que com seu escudo e espada, enfrenta e decapta a Medusa, aquele ser mitológico que possui serpentes em sua cabeça e que se olharmos diretamente a ela, nos petrificamos, indicando que nossos agregados psicológicos fazem isto, nos deixam petrificados, cegos, incapazes de perceber a realidade. Perseu com o reflexo do escudo, indicando a nossa autorreflexão, por auxílio da Consciência e por esta fração em nosso interior que se chama Mãe Divina Kundalini (nosso Fogo Serpentino), é capaz de aniquilar, eliminar, transformar em poeira cósmica estes elementos negativos que carregamos em nosso interior. Quando a Medusa é decapitada, dentre seu interior nasce, ou surge, Pégasus, o cavalo alado, indicando que se liberta nossa Essência, nossa Consciência dentre as trevas.

Podemos citar o conto de Budha, onde ele se sentava sob a copa de uma árvore, e diante de um lago, quando em profunda meditação, via um exército de inimigos se aproximando, com armas, para matá-lo, e este exército, lançou-lhe flechas para aniquilá-lo, contudo, estas flechas ao aproximar-se dele, transformaram-se em flores, indicando que mediante a autorreflexão, as armas do Ego, que nos petrificam, nos aniquilam, foram transformadas em virtudes, ou seja, em nossa Essência livre, em nossa Consciência, mediante a auto-observação e morte psicológica (aniquilação budista, morte do ego, etc...)

O ego é a personificação de nossas devilidades psicológicas, é o que nos mantém fascinados, identificados com as circunstâncias que a vida nos põe, é o que nos limite, nos coloca barreiras, conceitos e preconceitos, e enquanto tivermos esta escuridão dentro de nós, enquanto não procurarmos morrer em nós mesmos (1º fator da revolução da consciência), não poderemos ver a luz.

Prática:

observador e observado. Continuar nos observando.

Chave sol. Integração com nosso Ser, com nossa Mãe Divina, que é nosso mesmo Ser, porém derivado.

Neste estado de integração, de auto-observação, escolhemos um defeito psicológico que esteja nos prejudicando, pedimos e rogamos, mediante meditação e integração com a Mãe Divina Kundalini, que nos auxilie a compreender o defeito, e após compreendido, que elimine o mesmo. Isto se dá quando verdadeiramente compreendemos e nos ARREPENDEMOS de haver criado o defeito psicológico.

 

29/05/2017