DRAGÃO AMARELO

 

TEXTO sobre FILOSOFIA

DRAGÃO AMARELO

 

O Arché


Dialogávamos anteriormente sobre o Azoth, o mercúrio já em um estado mais elevado ou propício às criações internas. O que normalmente possuímos em nosso interior é o mercúrio em um estado bruto que deve ser trabalhado, lapidado, para se elevar e de fato poder ser utilizado para as cristalizações internas.


O mercúrio já neste estado de Azoth pode ser trabalhado para as criações e cristalizações necessárias para desenvolvimento de nossas virtudes, despertar interno, etc...


Ao observarmos as questões da Obra interna, vemos que muitas coisas se assemelham, ou funcionam de forma análoga, mesmo que sejam por vezes temas distintos.


O Arché é pois o resultado do trabalho interno da mistura deste mercúrio já transmutado (Azoth), do antimônio (aqui fazendo o papel do Sal ou mesmo sendo o Sal em um sentido mais elevado) e do Fogo do Espírito Santo. O Arché é pois o resultado deste mercúrio fecundado pelo fogo do Espírito Santo utilizado para a criação de nossos corpos internos, já purificados, trabalhados e fecundados. Aqui está o Solve et Coagula, dissolva e coagule, ou seja, dissolva e cristalize.


Vemos que na Obra, neste trabalho alquímico, trabalhamos com estes elementos internos, e que sempre há uma purificação a ser feita e que sempre é necessário a integração com nossas partes internas para que estes elementos sejam dissolvidos e cristalizados. Seja no caso do Azoth a transmutação mediante o amor, e igualmente a formação do Arché, que igualmente é necessário a transmutação mediante o amor, porém para criar ou cristalizar o resultado deste trabalho interno.


Embora estejamos falando sobre termos alquímicos, o que vale ressaltar e o que gostaríamos que realmente fosse levado à reflexão, é que, para que todos estes processos possam ocorrer é necessário que haja justamente uma revalorização do trabalho, uma análise mais profunda de nossos próprios pensamentos, sentimentos e ações. Não há como processos divinos ocorrerem de forma justa e adequada sem previamente utilizarmos nossa vontade para analisarmos profundamente todas estas questões dentro de nós mesmos. Caso não haja esta verificação, análise, não há como darmos os primeiros passos. Também sem um apelo espiritual, ou seja, buscar constantemente uma integração com nossas frações divinas, não há como isto que estamos abordando ou buscando, se manifestar de forma plena.


19/03/2020